Professora conta como usou a tecnologia com uma turma da educação infantil em um projeto de sustentabilidade ambiental

Eu sempre fui observadora. O meu papel de educadora e o espaço que tenho junto aos alunos na aula de inglês me permite e me exige essa postura. Faz quatro anos que a Escola Móbile, em São Paulo (SP), prioriza no primeiro semestre atividades sobre sustentabilidade e meio ambiente. Desde então, passei a me atentar ao que eles produziam de lixo em sala de aula, o que jogavam fora, como descartavam e a forma como se relacionavam com a reciclagem.

A partir daí, pensei que seria interessante envolver a turma da educação infantil em um projeto que ampliasse o vocabulário deles na língua inglesa à medida que despertasse a consciência ecológica e já começasse um trabalho de criar intimidade com o uso da tecnologia no desenvolvimento de projetos. Todos esses assuntos serão vivenciados por eles, com o passar dos anos, seja dentro ou fora da escola. Foi dessa necessidade que nasceu o Recycle!, um game online que transpõe o assunto da reciclagem para outros ambientes, por meio de uma atividade envolvente e dinâmica.

capa1

Ao longo do primeiro semestre, os alunos do Infantil 5 estudam a reciclagem como parte do Projeto Sustentabilidade Ambiental. Ao entrar em contato com esse tema, pudemos perceber que, muitas vezes, o lixo descartado de maneira incorreta acaba afetando o meio ambiente, desde o espaço escolar até a fauna do planeta. Partindo desse tema – e do grande envolvimento dos alunos – os pequenos revisitaram o assunto nas aulas de Inglês com enfoque em alguns materiais que podem ser reciclados, assim como na identificação das latas de lixo e suas cores correspondentes.

Em duplas, os alunos desenharam diversos objetos que seriam utilizados na confecção do jogo com o suporte da equipe de informática da escola. Depois, gravaram as dicas do jogo em inglês utilizando as estruturas trabalhadas previamente em nossas aulas. Esse trabalho deu origem ao jogo virtual Recycle!, no qual o jogador, ao visualizar os itens a serem descartados e, ao ouvir de qual material eram feitos, pode escolher a lixeira seletiva correta de acordo com a cor do recipiente.

Para a definição das cores, utilizamos o padrão apresentado pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente. Os alunos participaram ativamente no desenvolvimento do projeto fazendo um levantamento dos itens que seriam descartados, classificando-os em relação ao material de que são feitos, elaborando os desenhos e gravando as falas que orientam o jogador. Mesmo na fase em que envolvia a programação do game, eles estavam envolvidos.

Como sempre adorei associar ferramentas tecnológicas em meus trabalhos, vi que era perfeitamente possível incluir esse recurso em minhas aulas, mesmo com alunos tão pequenos. Quando a gente os envolve no processo, mesmo que eles não tenham a dimensão do que é a internet, eles se sentem próximos de uma realidade que logo será a deles. Antes de apresentarmos o projeto para os pais, todos os passos são compartilhados com os alunos, que se mostram curiosos com a ideia transportada para tablets, celulares e computadores.

O resultado foi a conclusão de todo um estudo e aprendizado sobre sustentabilidade. É a finalização de um projeto interdisciplinar que extrapola o ambiente escolar e impacta em toda a família. Ele não é apenas uma ferramenta de sala de aula, é consequência do trabalho já desenvolvido em meses de forma lúdica. Considero que o Recycle! sintetiza um conjunto de aprendizagens significativas fundamentais para o desenvolvimento da criança desta faixa etária.

Esse projeto possui quatro anos e já penso que está na hora de outra de ideia para despertar o mesmo sentimento nos alunos. Conforme eles avançam de série, outros desafios surgem para que eles se sintam cada vez mais integrados aos assuntos propostos, com a diferença que ganham autonomia nas tarefas de programação. Isso mostra que é um trabalho pensado em longa escala, que propõe formar jovens conscientes de seu espaço no mundo, fluentes em outro idioma e com grande domínio da tecnologia.

Fonte: Porvir.org



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *